A Alta-Costura do Cadáver: Moda, Classe, Tempo, e os Mortos-Vivos em Fome de Viver

  • Kwasu David Tembo Independent Researcher
Palavras-chave: vampiro, moda, Fome de Viver, morto-vivo chic, couture de cadáver

Resumo

Quando visto através das lentes da alta costura e do sistema de classes, o retrato contemporâneo do vampiro como icónico tanto na esfera sociopolítica como na estética, e como ícones de vários estilos de vida subalternos, exteriores, ou aquilo a que chamo estilos de vida “demimondeur”, subculturas e os estilos/modas que os acompanham, oferece um quadro analítico interessante através do qual se pode examinar a relação dialógica entre ideologia, tempo, moda e classe. Referindo-se ao pensamento marxista sobre o capitalismo vampírico na sua relação com o tempo, este capítulo discutirá as questões e debates em torno do retrato da figura do vampiro como o que teorizarei ser um “puro consumidor”, simultaneamente elite sociopolítica e forasteiro sociopolítico, e a sua figuração tanto da atemporalidade como da espúria da ideologia em Fome de Viver (1983). Referindo-se à couture pós-punk Bauhaus ou ao estilo dos mortos-vivos do filme, a metodologia deste trabalho será a de realizar uma leitura atenta do filme como um estudo de caso, focando o seu envolvimento com dimensões sociopolíticas e culturais, e com os fenómenos de riqueza, estilo, privilégio e tempo (atemporalidade).

Referências

Edmundson, M. (1997). Nightmare on Main Street: Angels, Sadomasochism, and the Culture of Gothic. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.

Frayling, C. (1992). Vampyres: Lord Byron to Count Dracula. London: Faber and Faber.

Haraway, D. (1997). Modest_Witness@Second_Millennium.FemaleMan_Meets_Onco Mouse™:Feminism and Technoscience. New York: Routledge.

Kennedy, P. (2017). Vampire Capitalism: Fractured Societies and Alternative Futures. London: Palgrave Macmillan.

Marx, M. (1867 [1976]). Capital: A Critique of Political Economy, Volume 1 (1867), trans. Ben Fowkes. Harmondsworth: Penguin.

Moretti, F. (1983). Signs Taken for Wonders: Essays in the Sociology of Literary Forms. London: Verso.

Neocleous, M. (2003). The Political Economy of the Dead: Marx’s Vampires, History of Political Thought, 14(4), 668-684.

Skal, D. J. (1993). The Monster Show: A Cultural History of Horror. New York: Farrar, Straus, and Giroux.

Strieber, W. (1983). The Hunger. Directed by Tony Scott. Los Angeles: Metro-Goldwyn-Mayer.

n.a. (2013, July). “Vampires Wear Yves Saint Laurent: Tony Scott’s The Hunger @ the Cristobal Balenciaga Museum.” Irenebrination: Notes on Architecture, Art, Fashion, Fashion Law & Technology. https://www.irenebrination.com/irenebrination_notes_on_a/2013/07/the-hunger-balenciaga-museum.html

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Tembo, K. (2020). A Alta-Costura do Cadáver: Moda, Classe, Tempo, e os Mortos-Vivos em Fome de Viver. Interações: Sociedade E As Novas Modernidades, (39), 165-181. https://doi.org/10.31211/interacoes.n39.2020.a7
Edição
Secção
Artigos