O paralelo entre as revistas femininas e as comunidades virtuais no Brasil

  • Camila Costa Feijó Universidade Nova de Lisboa
Palavras-chave: Revista feminina, Comunidades virtuais, Facebook, Jornalismo especializado, Femininismo

Resumo

Este artigo investiga como as revistas femininas estão sendo substituídas pelas comunidades virtuais na internet. A análise de conteúdo realizada mostra a necessidade das mulheres procurarem novos espaços de debate e criar identificação com temas relacionados com o feminismo e não apenas sobre beleza. As revistas especializadas no público feminino foram uma das primeiras formas de ascensão das mulheres aos meios de comunicação. Entretanto, essas publicações, assim como o jornalismo em geral, enfrentam dificuldades e estão sendo canceladas ou adaptadas para o meio digital nas últimas duas décadas. Portanto, as comunidades virtuais analisadas nessa pesquisa (Fashionismo e Modices) são uma oportunidade para desenvolver novas interações e debates graças aos recursos do Facebook, entre outras redes que disponibilizam recursos para criação de comunidades. Agora, ao invés de lerem revistas onde são sexualizadas, as mulheres também estão criando o seu próprio espaço nas comunidades virtuais, como esse artigo identificou e contribui para futuras reflexões sobre o tema.

Referências

Baptista, I. C. Q., & Abreu, K. C. (2010). A história das revistas no Brasil: Um olhar sobre o segmentado mercado editorial. Revista Plural, 04. http://paginas.unisul.br/agcom/revistacientifica/artigos2010/iria_baptista_karen_abreu.pdf

Bittelbrun, G. V., & Vogel, D. (2010). Claudia: o jornalismo em uma revista feminina do século XXI. Revista ECO-Pós, 13(2). https://revistaecopos.eco.ufrj.br/eco_pos/article/view/865/805

Carneiro, C. B., Borges, D. S., & Borges, L. S. (2017). A representação da mulher na imprensa feminina segundo os estudos de gênero. 40º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2017. http://www.intercom.org.br/sis/eventos/2017/resumos/R12-0382-1.pdf

Correia, P. M. A., & Moreira, F. R. (2014). Novas formas de comunicação: história do Facebook - Uma história necessariamente breve. Revista Alceu, 14(28), 168-167. http://revistaalceu-acervo.com.puc-rio.br/media/alceu%2028%20-%20168-187.pdf

Duarte, A. R. F. (2007) A escrita feminista de Carmen da Silva. Florianópolis: Revista Estudos Feministas, 15, 117-197.

Ferreira, B. C. (2016). O jornalismo nas revistas femininas Claudia e Marie Claire. Os conceitos de beleza e saúde aplicados ao corpo feminino e ao controle do comportamento da mulher. [Dissertação] Universidade de São Paulo - Escola de Comunicações e Artes.

Gaines, B., & Mondak, J. (2009). Typing Together? Clustering of Ideological Types in Online Social Networks. Journal of Information Technology & Politics, Amherst, 6(3), 216–231.

Gaskell, G. (2002). Entrevistas individuais e grupais. In M. W. Bauer, & G. Gaskell (Orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (pp.64-89). Petrópolis: Vozes, 2002.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Jesus, A. S. (2017). O mercado editorial de revistas no Brasil: do Espelho Az Mina. 12º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo - Universidade Anhembi-Morumbi. https://abraji-bucket-001.s3.sa-east-1.amazonaws.com/uploads/publication_info/details_file/68aef5b2-56c2-4b3d-9859-07eb25d05ebd/76124343-cebc-4df0-9280-ec6fe6ba56a9.pdf

Jones, S. G. (org) (1997). Virtual Culture: Identity & Communication in Cibersociety. California. Thousand Oaks: Sage Publications.

Matos, A. C. (2016). Jornalismo de Lifestyle: Um Estudo de Caso da Revista Elle. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa. [Relatório de estágio de mestrado]. https://run.unl.pt/bitstream/10362/19539/1/Relatório%20Final%20Adriana%20Cunha%20Matos%202016.pdf

Nascimento, P. C. (2002). Jornalismo em revistas no Brasil: um estudo das construções discursivas em veja e manchete. São Paulo: Annablume.

Prado, M. (2011). Webjornalismo. [Reimpr.] - Rio de Janeiro: LTC.

Recuero, R. da C. (2002). Comunidades Virtuais: uma abordagem teórica. In: DORNELLES, Beatriz (Org.). Mídia, Imprensa e as Novas Tecnologias, (pp. 221-240).Porto Alegre: EDIPUCRS.

Recuero, R. da C. (2005). Comunidades Virtuais em Redes Sociais na Internet: uma proposta de estudo. E-Compós, 4. http://raquelrecuero.com/seminario2005.pdf

Rodrigues, L. V. (2004). A representação da mulher na imprensa feminina. Trabalho apresentado ao NP 13 – Comunicação e Cultura das Minorias, do V Encontro dos Núcleos de Pesquisa da Intercom. http://www.portcom.intercom.org.br/pdfs/76117924067847604001724126627046238.pdf

Weber, M. (1987). Conceitos básicos de sociologia. São Paulo: Editora Moraes.

Wolf, N. (1992). O mito da beleza: Como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Rio de Janeiro: Rocco.

Publicado
2021-06-30
Como Citar
Feijó, C. (2021). O paralelo entre as revistas femininas e as comunidades virtuais no Brasil. Interações: Sociedade E As Novas Modernidades, (40), 116-129. https://doi.org/10.31211/interacoes.n40.2021.a6
Edição
Secção
Artigos