Uma Leitura de «Vicente», de Miguel Torga

Historicidade, Imaginário Simbólico, Mitocrítica

  • André Campos Universidade Aberta
Palavras-chave: Vicente, Miguel Torga, imaginário simbólico, mito diluviano, mitocrítica

Resumo

Propõe-se uma leitura de “Vicente”, conto de Miguel Torga incluído no volume Bichos (originalmente publicado em 1940). Sublinha-se a sua específica historicidade, analisa-se o exercício dialéctico de subversão do imaginário simbólico deste episódio bíblico (seus mitemas e arquétipos, suas conotações e dicotomias) e enquadra-se o mito diluviano aqui evocado numa tradição re-genesíaca pré-existente e transcivilizacional (o que remeterá à Epopeia de Gilgamesh e às Metamorfoses, de Ovídio). Ensaia-se, a partir de Gilbert Durand, um exame mitocrítico dos principais núcleos semânticos e verbais e avança-se a hipótese do fogo prometaico como mito latente.

Referências

Anido, N. (1975). Miguel Torga e a «recusa do Divino». Colóquio/Letras, 24, 31-40. Fundação Calouste Gulbenkian.

Bíblia Sagrada (14.ª ed.) (1988). Difusora Bíblica, Missionários Capuchinhos.

Brandão, J. L. (2014). Sîn-lēqi-unninni, Ele o Abismo viu (série de Gilgámesh 1). Nuntius Antiquus, vol. X, n.º 2, 125-160. https://doi.org/10.17851/1983-3636.10.2.125-159

Brandão, J. L. (2015). Transcrição comentada – como se faz um herói: as linhas de força do poema de Gilgámesh. e-hum – Revista Científica das Áreas da História, Letras, Educação e Serviço Social do Centro Universitário de Belo Horizonte, 8(1), 104-121.

Cirlot, J. E. (2001). A Dictionary of Symbols [Um Dicionário de Símbolos] (2.ª ed.). Routledge.

Durand, G. (1989). As Estruturas Antropológicas do Imaginário. Introdução à Arquetipologia Geral. Editorial Presença.

Durand, G. (1979). A Imaginação Simbólica. Arcádia.

Durand, G. (1982). Mito, símbolo e mitodologia. Clivagem.

Durand, G. (1998). Passo a passo mitocrítico. (pp. 245-259). (s. d. t.).

A Epopéia de Gilgamesh (trad. Carlos Daudt de Oliveira). (2011). Martins Fontes.

Grimal, P. (1999). Dicionário da Mitologia Grega e Romana (3.ª ed.). Difel.

Herranz, L. B. (2018). Liberdade! Liberdade! Abre as asas sobre nós: «Vicente», de Miguel Torga. Revista Desassossego, 19, 103-114.

Lopes, T. R. (1975). Além, aqui e aquém em Miguel Torga: análise de «Vicente». Colóquio/Letras, 25, 34-49. Fundação Calouste Gulbenkian.

Ovídio (2007). Metamorfoses. Livros Cotovia.

Sánchez, K. C. (2000). El relato diluviano: paralelismo entre el Antiguo Testamento y la Épica de Gilgamesh [O relato diluviano: paralelismo entre o Antigo Testamento e a Epopeia de Gilgamesh]. Filología y Lingüística, vol. XXVI, n.º 2, 259-273.

Torga, M. (1970). Vicente. In Miguel Torga, Bichos (7.ª ed. revista) (pp. 127-134). Coimbra.

Publicado
2022-06-30
Como Citar
Campos, A. (2022). Uma Leitura de «Vicente», de Miguel Torga. Interações: Sociedade E As Novas Modernidades, (42), 7-21. https://doi.org/10.31211/interacoes.n42.2022.a1
Edição
Secção
Artigos