Contributions to a semiotics of religion: the semiosis from sign to meaning

  • Paulo Barroso Instituto Politécnico de Viseu
Palavras-chave: Cultura, Experiência religiosa, Semiose, Semiótica da religião, Signo

Resumo

Contribuições para a semiótica da religião: a semiose do signo ao significado

Este artigo aborda teoricamente a experiência religiosa in toto. Considerando a semiótica aplicada à religião, propõem-se contribuições para compreender e reconhecer a relevância desta disciplina. Tal abordagem da semiótica da religião justifica o objectivo do artigo: compreender as estruturas de significado das experiências religiosas. Essas experiências são diversas, íntimas, subjectivas, mas todas têm uma ideia do “transcendente” como referente e são baseadas em estruturas de significado, expressões e representações do sagrado, formas, usos e interpretações de signos religiosos, sistemas de pensamento colectivo e acção simbólica. Pretende-se sustentar que: 1) a semiótica da religião é um ramo interdisciplinar das ciências sociais e humanas e uma espécie de semiótica da cultura; a religião é uma forma de cultura, assim como comunicação e o significado social; 2) a religião é um fenómeno semiótico; é sustentada por signos, representações, processos de significação e construção cultural do mundo, sem os quais não poderia haver religião. É seguida uma estratégia conceptual e teórica de discussão crítica das estruturas de significado em que se baseia a cultura manifesta, por meio do que dizemos ou fazemos, da maneira como nos comportamos e da atitude que temos em relação aos signos.

Referências

Barthes, R. (1991). Mythologies. New York: The Noonday Press.

Berger, P., & Luckmann, T. (1991). The social construction of reality. London: Penguin Books.

Bolzano, B. (1972). Theory of science. Berkeley: University of California Press.

Cassirer, E. (1954). An essay on man: An introduction to a philosophy of human culture. New York: Doubleday Anchor Books.

Cassirer, E. (1972). La philosophie des formes symboliques. Paris: Les Éditions de Minuit.

Devereux, G. (1979). Fantasy and symbol as dimensions of reality, in R. H. Hook (ed.) Fantasy and symbol: Studies in anthropological interpretation (pp. 19-31). London: Academic Press Inc.

Eco, U. (2001). A estrutura ausente [The absent structure]. São Paulo: Editora Perspectiva.

Eco, U. (2007). Tratado geral de semiótica [General treatise on semiotics]. São Paulo: Editora Perspectiva.

Eliade, M. (1972). Tratado de historia de las religiones [Treatise on the history of religions]. México: Ediciones Era.

Eliade, M. (1987). The sacred and the profane. New York: A Harvest Book.

Fiske, J. (2002). Introduction to communication studies. London: Routledge.

Foster, M. (1994). Symbolism: the foundation of culture. In T. Ingold, Companion encyclopedia of anthropology: Humanity, culture and social live (pp. 366-395). London: Routledge.

Gurvitch, G. (1961). Morale théorique et sciences des moeurs. Paris: Presses Universitaires de France.

Gurvitch, G. (2001). Sociology of law. New Jersey: Transaction Publishers.

Hall, E. (1966). The hidden dimension. New York: Doubleday.

Hartley, J. (2004). Communication, cultural and media studies: The key concepts. London: Routledge.

Kreinath, J. (2006). Semiotics, in J. Kreinath, J. Snoek & M. Stausberg (eds.), Theorizing rituals: Issues, topics, approaches, concepts. (vol. 114-1). Leiden: Brill.

Lotman, Y.(2005). On the semiosphere. Sign System Studies (33-1), 205-226.

Morris, C. (1971). Writings on the general theory of signs. The Hague: Gruyter Mouton.

Otero, J. C. (2003). Estética y culto iconográfico. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos.

Peirce, C. (1978). Collected papers. (5 vols.) Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.

Ricoeur, P. (2004). The conflict of interpretations: Essays in hermeneutics. London: Continuum.

Rocher, G. (1998). Sociologia geral: A ação social [General sociology: Social action]. Lisboa: Editorial Presença.

Rodrigues, A. D. (2011). O paradigma comunicacional: História e teorias [The communication paradigm: History and theories]. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Saint Augustine (1991). De dialectica. Bucuresti: Humanitas.

Saint Augustine (2014). Confissões [Confessions]. São Paulo: Paulus Editora.

Saussure, F. (1916). Cours de linguistique générale. Paris: Editions Payot.

Steiner, G. (1971). In bluebeard’s castle: Some notes towards the re-definition of culture. Yale: Yale University Press.

Steiner, G. (2013). Real presences. New York: Open Road Integrated Media.

Todorov, T. (1979). Teorias do símbolo [Symbol theories]. Lisboa: Edições 70.

Ward, K. (2007). Deus e os filósofos [God and the philosophers]. Cruz Quebrada: Estrela Polar.

Whitehead, A. (1927). Symbolism: Its meaning and effect. Virginia: University of Virginia.

Wittgenstein, L. (1996). Philosophical investigations. Oxford: Blackwell.

Yelle, R. A. (2013). Semiotics of religion: Signs of the sacred in history. London: Bloomsbury.

Publicado
2021-12-31
Como Citar
Barroso, P. (2021). Contributions to a semiotics of religion: the semiosis from sign to meaning. Interações: Sociedade E As Novas Modernidades, (41), 181-200. https://doi.org/10.31211/interacoes.n41.2021.a8
Edição
Secção
Artigos