Uma Análise de Performance de Cinco Fundos de Investimento Mobiliário Harmonizados de Ações Portuguesas

  • Henrique Amaral Dias Instituto Superior Miguel Torga
Palavras-chave: VaR, CAPM, Rácio de Sharpe, Fundos de Investimento

Resumo

Este artigo analisa cinco Fundos de Investimento Mobiliário (F.I.M.) Harmonizados de Ações Portuguesas através de duas perspetivas, com os seguintes objetivos e metodologias: i) calcular a pior perda a que um investidor estaria sujeito com um nível de confiança de 99%, tendo para tal utilizado o VaR Histórico ii) verificar quais os F.I.M. que obtiveram uma performance superior/inferior à do mercado em termos da taxa média de retorno anual, quantificando essas diferenças. Por outro lado, estabelecer uma relação entre rendibilidade e risco, ao longo de um período de cinco anos. Para tal aplicámos o CAPM (Capital Asset Pricing Model) e os indicadores relevantes (Alpha de Jensen e os Rácios de Treynor e de Sharpe).

Os resultados permitiram-nos uma hierarquização dos fundos aplicando os critérios mencionados, a partir das suas performances históricas: i) o do NB Portugal foi o que sofreu as menos severas piores perdas ii) o do Santander foi o que registou a maior diferença entre a sua taxa média geométrica de retorno anual e a do respetivo benchmark iii) o do BPI apresentou a maior diferença entre rendibilidades por unidade de risco.

Os investidores devem considerar resultados análogos na tomada de decisão e recomenda-se que as autoridades reguladoras publiquem métricas similares regularmente.

Publicado
2017-12-29
Como Citar
[1]
Dias, H. 2017. Uma Análise de Performance de Cinco Fundos de Investimento Mobiliário Harmonizados de Ações Portuguesas. Interações: Sociedade e as novas modernidades. 33 (Dez. 2017), 3-19. DOI:https://doi.org/10.31211/interacoes.n33.2017.a1.
Edição
Secção
Artigos