Redes de Suporte Formal ao Sem-Abrigo na Cidade de Coimbra

  • Teresa Simões Gomes Instituto Superior Miguel Torga
  • Sónia Guadalupe Instituto Superior Miguel Torga
Palavras-chave: sem-abrigo, Coimbra, intervenção social, redes de suporte social

Resumo

O presente estudo aborda a problemática dos sem-abrigo, centrando-se na dinâmica institucional e intervenção social, a partir de um estudo descritivo das instituições de suporte social formal à população sem-abrigo na cidade de Coimbra. Os resultados vão de encontro à realidade nacional conhecida, destacando-se a escassez de respostas a nível da reintegração social do sem-abrigo, a sobreposição de respostas com caráter essencialmente assistencialista e uma desarticulação entre serviços e entidades envolvidas na intervenção social junto desta população. A cidade de Coimbra reúne os meios necessários para responder às exigências do desafio que a intervenção junto dos sem-abrigo coloca, devendo ser maximizados, e devendo potenciar-se a ainda pouco consistente articulação interinstitucional.

 

Formal Support Networks of Homeless in Coimbra

This study addresses the problem of homelessness in an institutional perspective, seeking to understand the social intervention process with homeless people in Coimbra. The results are similar to the known reality of the country, especially the lack of responses regarding the social integration of the homeless, and the overlap and disconnection of services with an essentially assistentialist character. The city of Coimbra gathers the means to achieve more effective purposes regarding the homeless, if the resources were maximized and enhanced the still weak interinstitutional coordination.

Keywords: Homeless, Coimbra, social intervention, social support networks.

 

Biografia Autor

Teresa Simões Gomes, Instituto Superior Miguel Torga
Mestre em Serviço Social (ISMT).
Publicado
2013-03-16
Como Citar
[1]
Gomes, T. e Guadalupe, S. 2013. Redes de Suporte Formal ao Sem-Abrigo na Cidade de Coimbra. Interações: Sociedade e as novas modernidades. 11, 21 (Mar. 2013).
Edição
Secção
Artigos