Quando não se Morre como nas Óperas de Verdi: Reflexões Histórico-Filosóficas Sobre o Suicídio e o Suicídio Racional na Antiguidade Clássica

  • Laura Ferreira dos Santos Instituto Superior Miguel Torga

Resumo

Neste artigo, abordam-se questões terminológi­cas acerca dos termos da Antiguidade clássica que significavam ‘suicídio’ e ‘eutanásia’; fala-se da posição adoptada por certas escolas e cer­tos autores Antigos perante a morte voluntária; contextualiza-se, historicamente, o conhecido Juramento de Hipócrates e analisa-se a posição particular de Séneca sobre o suicídio racional, a partir de duas das suas Cartas a Lucílio.

Summary

When Death Is Not Like In A Verdi Opera: His­torical and Philosophical Reflections on Suicide and Rational Suicide in Classic Antiquity

This article addresses: the terminological questions concerning the terms that signified ‘suicide’ and ‘euthanasia’ in classic Antiquity; the positions adopted by certain philosophical schools and authors in the context of the Greeks about voluntary death; the historical context of the Hippocratic Oath; and, finally, the particular ideas on rational suicide witnessed by two of Seneca’s Letters to Lucilius.

Publicado
2008-04-30
Como Citar
[1]
Santos, L. 2008. Quando não se Morre como nas Óperas de Verdi: Reflexões Histórico-Filosóficas Sobre o Suicídio e o Suicídio Racional na Antiguidade Clássica. Interações: Sociedade e as novas modernidades. 8, 14 (Abr. 2008).
Edição
Secção
Artigos