Uma Proposta de Leitura do Livro de Amaral Dias, Freud Para Além de Freud. Volume II

  • Ana Vasconcelos Instituto Superior Miguel Torga

Resumo

A partir da leitura das análises feitas, por Carlos Amaral Dias, acerca de seis textos de Freud, em Freud Para Além de Freud. Volume II, são postos em evidência os conceitos expostos com maior relevância, sobre o funcionamento psicológico, à luz do vértice da significação e do simbólico. Neste sentido, são preocupações recorrentes, neste livro, a necessidade de se usar, com rigor, os termos psicanalíticos e de se distinguir o que é próprio da neurose e o que é próprio da psicose, pelo mesmo vértice do simbólico. Expandindo o pensamento freudiano e completando- o com os contributos de outros autores, como Bion e Lacan, Amaral Dias clarifica e reformula conceitos como: o romance familiar, o mito de Édipo, o sistema protomental, o recalcamento, as produções mentirosas da mente e a ética do sujeito desejante.

A Reading Proposal of Amaral Dias’ Book, Freud Para Além de Freud. Volume II

From the reading of the analyses made by Carlos Amaral Dias on six Freud texts, in Freud para Além de Freud. Volume II, this article emphasizes the concepts exposed by Amaral Dias on the psychological functioning, in the framework of meaning and the symbolic. In this sense, that book is especially concerned with rigour in the use of the psychoanalytic terms, by distinguishing what is proper to neurosis and what is proper to psychosis, in the same framework of the symbolic. Expanding Freudian thought and completing it with contributions from other authors, such as Lacan and Bion, Amaral Dias enlightens and reformulates concepts such as family romance, Oedipus myth, protomental system, repression, false enunciation, and the ethics of the desiring subject.

Biografia Autor

Ana Vasconcelos, Instituto Superior Miguel Torga
Pedopsiquiatra
Publicado
2005-10-31
Como Citar
[1]
Vasconcelos, A. 2005. Uma Proposta de Leitura do Livro de Amaral Dias, Freud Para Além de Freud. Volume II. Interações: Sociedade e as novas modernidades. 5, 9 (Out. 2005).
Edição
Secção
Artigos